terça-feira, 29 de abril de 2014

SUPERAÇÂO

Há 05  anos e 20  dias,  tive o  diagnóstico de CA positivo.
Nada foi  fácil, porém, inspirada por Deus, tirei o  problema e coloquei  no  mesmo  instante do  problema a solução momentânea: mastectomia....  mal  sabia direito  o  que poderia ser na verdade, apesar dos estudos e pesquisas que fiz nos 10 dias de espera dos resultados da biópsia.
Uma coisa apenas era certa: a doença não era minha,  o  erro  médico  não foi  meu, a coragem  sim,  essa eu  teria que enfrentar de peito aberto....  Mas como  de peito aberto  se estava pronta para uma mastecto? Tudo  em minha volta virou  um  só  pensamento: Ela não me pertence,  não  é minha, a doença ficará no  centro  ciruúrgico e eu fgarei  uma reconstrução imediata!
Assim  ocorreu..  mastecto mais reconstrução imediata.
Hoje,  vendo  o  que ocorreu  fica mais fácil  de entender,  e digo,  fui  tomada de ums certa dose anestésica de sabedoria...  vi  apenas o  lógico.
A cirurgia foi  bem,  e voltei  para casa. Nunca vi  e nem quando  voltei,  me sentia operada de CA,  e sil  apenas cirurgia...
As quimios começaram. Na sala,  a dra. Carla me explicou  que complicações durante  a quimio  acontece,  que as vezes o paciente não passa bem,  enjoos,  e tudo  mais que sabemos a respeito das aplicações. Naquele momento,  tomada de uma coragem infinita dei apenas uma resposta: Deus não faria isso comigo,  apenas trabalhei  por 30  anos... E assim  aconteceu...  nenhuma reação durante as aplicações e na terceira ela ficou  espantada, pois meu cabelo  não havia caído. Me garantiu  que a partir daquela, cairia tudo....  Não esperei...De volta para casa,  comprei lenços indianos (22) e cada dia estava de um  jeito...  E assim  venci  o  período das aplicações,  que mudaram  de 21 a 21 para toda semana no  laboratório  de pesquisa ALLTO. Se me perguntarem  o  que fazia durante o  dia...  ARTESANATO,  ABRI  O  BLOG, ENTREI  NO  ONCOGUIA, tirei muitas fotos para registro, conversei  com  muitas mulheres que tinham medo,  acompanhei colegas ao  médico, tive apenas uma coisa para vencer: amor a minha pessoa,  para que pudesse amar com  ternura meus filhos.
Assim  completou  cinco  anos.... me aposentei  e hoje faço  meus artesanatos,  auxilio  onde posso  e precisam de apoio,  participo  do Rotary Club  de minha cidade, onde conseguimos trazer um  mamógrafo  para atendimento às mulheres que não  podiam pagar o  exame. Hoje,  digo que vivo  um  dia cada vez,  amo  a vida,  meus filhos e quero apenas uma coisa: continuar com  saúde e continuar de bem comigo e com  a vida.
Assim  foi  o  processo de aceitação. Precisamos aceitar e saber que a doença não é nossa,  e que nossa mente é nossa grande aliada no  processo de cura.


2 comentários:

  1. Oi querida.
    Vida pra frente!!!
    Saudades
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Isso aí Dorli . Força e fé ê o lema sempte

    ResponderExcluir